Estava prensando carcomigo:

A Odebrecht pagava propinas entre 3% a 5% dos contratos.

Uma comissão nesses percentuais não quebra ninguém.

Pagamos 10% ao garçom sem reclamar.

Poder-se-ia dizer, até, que nunca se roubou tão pouco nesse país.

Se eu orço uma obra em 100 milhões, por exemplo, e alguém me pede propina de 5%, eu calculo o valor, que seria de 5 milhões.

Então eu aplico um overprice de 5 milhões ao valor que eu queria receber e apresento uma proposta de 105 milhões.

Como se vê, os prejuízos causados aos cofres públicos pela minha empreiteira seriam mínimos.

Mas aí eu vejo histórias como, por exemplo, a do Maracanã.

Foi orçado em 700 milhões, acabou em 1,2 bilhão.

Segundo toda a imprensa, houve um superfaturamento.

Um propina de 5% sobre 700 milhões seriam 35 milhões.

Sobre 1,2 bilhão seriam 60 milhões.

Mas a questão é que teria havido um superfaturamento de 500 milhões.

Vamos descontar os habituais 5% sobre esses 500 milhões, que daria 25 milhões.

Sobrou 475 milhões de superfaturamento.

Então essa é a minha pergunta: se os percentuais de propina pagos aos políticos são tão baixos, no máximo 5%, para onde foram os 95% arrecadados sobre os 500 milhões em superfaturamento do Maracanã?

Temos ai 475 milhões voando.

Seriam os políticos tão generosos ou tolos a ponto de autorizar um rombo de 475 milhões para ficar só com uma beiradinha?