O grande Pinho Moreira esteve em Brasília falando pro Temer que existe muita interferência dos Fundos de Pensão nos grandes frigoríficos.

Ele quer que apenas gente do setor de carne, entendidos no assunto, façam parte das diretorias.

Ele falou pras rádios de SC.

“Carne é diferente de aço”, disse.

Sim, concordo contigo, Pinhão, embora a gente encontre uns bifes por aí que colocam em dúvida essa afirmação.

Mas não é bem assim, Pinhão.

A Bunge, por exemplo, colocou o Pedro Parente como CEO durante um tempo e ele nunca foi do setor.

O mesmo com o Abílio Diniz na BRF.

Além disso, a Petrobras estava cheia de técnicos experientes, capacitados e de carreira, todos corruptos, vagabundos e ladrões.

Nem sempre o que conta é o conhecimento de um cara sobre o setor.

O conhecimento se adquire, o que conta é a capacidade de gestão.

Pedro Parente, por exemplo, deu uma palestra em Blumenau.

Eu assisti.

Ele pediu pra secretária dele preparar o Power Point e foi logo dizendo: “Me desculpem, mas ainda não dominei totalmente todas as informações sobre a própria empresa e o setor, estou sendo informado aos poucos de todas as ações”.

Pinhão disse também que existe uma lei que “normaliza” a questão.

Não é “normaliza”, Pinhão.

É “normatiza”.

Normalizar é quando tu, por exemplo, deixar que o diretório do PMDB de Blumenau tenha uma vida normal e saia da eterna intervenção que tu fez.