Li essa noticia no site da Nereu:

“Um ato cívico na Praça Victor Konder abre nesta quinta-feira (23), o projeto Pátria na Cidade, uma parceria entre a Secretaria Municipal de Educação de Blumenau e o 23º Batalhão de Infantaria. A banda do exército vai comandar a solenidade a partir de 9h.

A proposta é desenvolver o patriotismo e a cidadania nas escolas com cerimonias mensais nas unidades de ensino da rede municipal. A próxima solenidade será em abril na escola Júlia Strzalkowska.”

Beleza.

Patriotismo é legal, é bacana.

Um pouco de civismo não faz mal à ninguém, embora soe para muitos como algo anacrônico e demodê, tipo crisma e primeira comunhão.

A questão é: o patriotismo foi institucionalmente usado pelos governos militares como forma de propaganda da ditadura tanto subliminarmente quanto diretamente.

Naquele tempo, patriotismo significava, antes de tudo, apoiar o governo militar.

Brasil, Ame-o ou Deixe-o.

Uma espécie de Stalinismo de direita.

Se você ama a Rússia, você ama Papai Stálin.

Será que não conseguimos despregar a ideia de patriotismo das Forças Armadas?

Ainda precisamos do Exército para falar de patriotismo?

Não podemos ter um patriotismo cidadão, civil, meu e seu?