Num país sério primeiro o governo faria ações sigilosas, coordenadas, e a participação das Forças Armadas nos presídios só seriam conhecidas depois de tudo acertado e com tudo começando imediatamente.

Mas no Brasil, Temerdíocre primeiro fala e só depois vai ver que existem muitas limitações.

O Ministro da Defesa, que também adora um microfone, disse que as Forças Armadas só entrarão em presídios onde não houver resistência dos presos.

Podem conferir.

Fico imaginando a negociação entre um general e um chefe de facção.

– Bom dia, senhor Zé Banguela. Sou o general Souza Aguiar Medeiros, chefe do Estado Maior das Forças Armadas.

– Zé Banguela o caralho. Meu nome é Zé Pinguelo.

– Perdão senhor Pinguelo. Sr. Pinguelo, o senhor poderia permitir a gente de revistar o presídio?

– Negativo.

– Só uma vistoriazinha rápida, pra não desmoralizar a tropa.

– Negativo.

– Tá bom, senhor Pinguelo, desculpa aí pelo incômodo. Mas pelo menos o senhor podia comprar uma rifa para os veteranos do Exército? Concorre a uma geladeira e uma TV de tela plana. Só 50 paus. Aí eu pelo menos não perco a viagem.

– Quando corre?