Como resultado de observações feitas ao longo dos meus mais de 30 anos de carreira, criei a figura ilustrativa do Mestre dos Pântanos.

Devemos estar sempre atentos ao Mestre dos Pântanos.

Uma carreira profissional quase sempre começa numa espécie de pântano.

Neste pântano habitam todos os iniciantes e os despercebidos, aqueles que não conseguem se destacar.

Ao lado do pântano está uma escadaria.

Ela tem vários degraus.

Para subir na carreira, precisamos galgá-los.

Mas antes disso precisamos sair do pântano.

É aí então que surge o Mestre dos Pântanos.

O Mestre dos Pântanos é um sujeito que está há muito tempo na empresa e subiu até o segundo degrau.

De lá ele observa o que ocorre no pântano e pode ser que ele note você pelo seu talento, capacidade ou mesmo simpatia pessoal.

Então o Mestre dos Pântanos irá ajudar você a sair do pântano, puxando-o para  primeiro degrau.

Tudo irá bem enquanto você permanecer lá.

Mas começarão a ocorrer problemas se você subir o segundo degrau e alcançar a mesma posição do Mestre dos Pântanos.

Ele não vai gostar de ver que você não é mais dependente dele.

Ele o verá como o concorrente que você de fato é, mesmo que não perceba.

E as coisas vão piorar de vez quando você passar para o terceiro degrau e o Mestre dos Pântanos continuar lá, estacionado no segundo degrau, onde sempre esteve.

Embora você seja grato ao Mestre dos Pântanos, é preciso ter cuidado com ele.

Ele não perdoará o seu sucesso, não se conformará em ver que foi ultrapassado por quem se julga credor de eterno reverenciamento.

O Mestre dos Pântanos passará então a conspirar contra você.

Presenciei esse tipo de situação pelo menos quatro vezes em minha carreira.

Numa delas atuei diretamente para salvar um jovem talentoso contra a tentativa do Mestre dos Pântanos em impedir sua ascensão.

Consegui, mas tive certa dificuldade.

O jovem demorou a perceber que o Mestre dos Pântanos, ao vê-lo diante de uma oportunidade de ascensão, tentava puxá-lo para baixo.

O Mestre dos Pântanos se achava credor dele e não queria admitir que ele fosse promovido, tornando-se independente.

Não queria ser ultrapassado nos degraus da carreira.

Em outra oportunidade descobri – felizmente a tempo –  que eu próprio estava sendo alvejado por um Mestre dos Pântanos.

O típico Mestre dos Pântanos é assim: ele tira você do pântano apenas para mantê-lo sob controle no primeiro degrau da escalada do sucesso, de onde espera receber em troca sua eterna gratidão e subserviência.

Muito cuidado com ele.