• Recebi a visita do Professor Gilson.
  • Vereador eleito pelo PSD, 2615 votos.
  • 494 votos a mais que o FF.
  • Gilson de Souza foi candidato pela segunda vez.
  • Na eleição passada fez 908 votos.
  • Pertence à comunidade da Nova Esperança, antigo Morro do Abacaxi, vizinho da Toca da Onça.
  • Formado em Economia pela Furb e Matemática pela Uniasselvi, 36 anos.
  • Dá aulas no Cedup.
  • Casado há três anos com Débora. Ela é advogada. Eles ainda não têm filhos.
  • É flamenguista mas veio me visitar com uma camisa verde. “Uma questão de respeito para com os palmeirenses”.
  • Fez campanha com o que chama de “multiplicadores”.
  • “Logo depois da eleição passada comecei a trabalhar, aproveitando os apoios que tinha conseguido. Eu apresentava minhas ideias e pedia pras pessoas me apoiarem por causa delas”.
  • Entre seus principais gastos de campanha estão dois pares de tênis detonados e duas calças jeans que rasgaram. “Sou meio gordinho. Andei muito. As calças esgarçaram. Tive que jogar fora”.
  • Declaração de bens: Celta 2013.
  • Gilson é filho de um vigia (já falecido) e uma faxineira que trabalhou 26 anos no Hospital Santa Isabel e se aposentou como assistente de enfermagem.
  • Vendia picolé com 14 anos, trabalhou na Cristal Blumenau.
  • Foi presidente da Associação de Moradores da Nova Esperança, onde fez 650 votos.
  • “A maioria dos votos consegui fora, com a ajuda de muitos alunos e pessoas que decidiram me apoiar”.
  • Tem uma grande preocupação: “quero me comunicar bem, passar para as pessoas tudo o que dizer, para que todos conheçam minhas posições”.
  • Primeira providência: “Decidi que meu gabinete terá um jornalista, uma pessoa qualificada para ajudar a expor ideias, buscar informações e construir propostas”.
  • Em 308 anos de jornalismo, é o primeiro vereador de quem ouço uma preocupação desse gênero.
  • A maioria deixa de contratar jornalistas ou assessores qualificados e contrata quatro ou cinco pangarés semiletrados para serviços leves.
  • Gilson está na campanha do Jean.
  • Não faço a mínima ideia de como será o desempenho do Gilson, mas o simples fato de ele se preocupar com a forma de fundamentar e apresentar suas ideias já é um alento, diante do amadorismo com que muitos de portam em nossa briosa Câmara.
  • Ele me disse que agora espera embarcar na Kombi do PSD.
  • Avisei pra ele que a Kombi do PSD é movida com bujão de gás de cozinha, anda aos solavancos, não tem banco atrás, às vezes falta freio e os ocupantes rolam uns sobre os outros nas curvas que o JPK faz em alta velocidade quando dirige.
  • Fiz uma recomendação ao Gilson: “Cuida pra não dar com a cara no joelho do Jovino num daqueles solavancos”.
  • “Vou tentar me segurar do melhor jeito possível”.
  • Na foto, Gilson e eu com a Kombi do PSD que o Jean me deu