A temível dupla Sérgio Chisté e André Jenichen elaborou um rol de 20 sugestões para a licitação do transporte coletivo.

Eles protocolaram orifício na prefeitura com elas.

Os dois defendem o fim dos cobradores e a redução das gratuidades, a divisão por lotes para mais de uma empresa e ar condicionado nas principais linhas.

Confira:

1) Que a futura concessão do transporte coletivo seja realizada em lotes, não permitindo consórcio, nem que um mesmo grupo econômico ganhe mais de um lote;

2) Que sejam definidas regras claras sobre a qualidade dos serviços a serem prestados, bem como, regra que permita, após os 5 primeiros anos de concessão, a rescisão caso os requisitos de qualidade não estejam sendo cumpridos;

3) Que todos os veículos estejam equipados com GPS e aplicativos que permitam estimar o tempo para a chegada do veículo no ponto de ônibus ou centro de controle operacional ou terminais urbanos;

4) Criação da integração temporal;

5) Obrigatoriedade de ar-condicionado em todos os ônibus das linhas troncais e inter-bairros;

6) Possibilidade de se adotar sistema de Passe diário, semanal e mensal;

7) Controle das gratuidades através de lei federal;

8) Demais gratuidades deverão ser pagas pelos órgãos que assim desejarem, ex. SEMUDES, SAÚDE, ENTIDADES DE CLASSE etc, a fim de não onerarem os demais usuários (não existe passagem gratuita);

9) Meia passagem apenas para estudantes registrados e cadastrados na SEMUDES;

10) Eliminação do cobrador e instalação de pontos de vendas de cartões unitários em parceria com CDL e entidades afins;

11) Ampliação dos corredores de ônibus, conforme Programa de Mobilidade Sustentável celebrado com o BID e o Plano de Mobilidade Urbana;

12) Focar em qualidade de atendimento e custo; ao final dos 5 primeiros anos da nova concessão, a empresa com pior desempenho pode ser desclassificada e substituída;

13)Tarifa embarcada x tarifa antecipada;

14) Obrigatoriedade de 100% de ônibus novos; no ato da assinatura do contrato as empresas deverão apresentar documentos que comprovem o atendimento da exigência, ou, cronograma para que em no máximo 12 meses, após a assinatura do contrato, seja cumprido o requisito, desde que, no momento da assinatura do contrato sejam apresentados os contratos de compra e venda dos ônibus novos e os respectivos contratos de financiamento para tal finalidade;

15) Piso baixo nos ônibus troncais e interbairros; 6 veículos para o Blufacil, podendo ser superior a critério dos estudos do SETERB ou da comissão permanente a ser criada para analisar todas as necessidades, demandas e qualidade dos serviços prestados ao longo do contrato;

16) Ônibus equipados com suportes especiais para o transporte de bicicletas dos usuários;

17) Reativação dos sistemas de bicicletas de aluguel, integrados aos terminais centrais;

18) Critérios claros e definidos para reajuste tarifário;

19) Criação de bolsões de estacionamento próximos aos terminais – exceto os centrais – a fim de estimular uso do transporte coletivo para viagens à região central;

20) Criação de linhas de curta quilometragem com tarifa diferenciada (p.ex. Centro – fórum da Velha – Vila Germânica, ou Garcia – Prefeitura -Garcia).