• Alguns aspectos acerca da nova empresa de ônibus que vai operar na cidade:
  • É óbvio que estava tudo acertado antes da caducidade. E tinha que ser assim. Nem eu nem o mais rematado imbecil seria capaz de decretar a caducidade do Siga pra só depois ir buscar um novo prestador de serviços.
  • A Piracicabana deve, com certeza, ganhar a nova licitação.

    Ninguém mobilizaria tamanha estrutura, contratando mais de mil pessoas, para ter que levantar o acampamento seis meses depois.

    As empresas do Siga estão fora porque possuem passivos que as tornariam inaptas a participar da licitação.

    A nova empresa não iria embarcar nessa sem antes conversar com algumas das maiores empresas do Brasil no setor, únicas que poderiam melar o negócio.

    Assim, a licitação pode ser feita com toda a tranqüilidade possível, pois não haverá quem se disponha a mobilizar tantos recursos humanos e materiais.

    Aos poucos, durante o período emergencial, a empresa irá fortalecendo a frota, encorpando-a até se tornar imbatível na licitação.


    Busões da Piracicabana já se encontram-se
    estacionados no Pátio da Penha.